terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Arte Rupestre de Angola: Um contributo para o seu estudo numa abordagem à arqueologia do território


por
Cristina Augusta Pombares da Silva Martins
QUATERNÁRIO E PRÉ-HISTÓRIA

Entrada do abrigo Tchitundo-hulo Opeleva




As gravuras e pinturas do Tchitundo-hulo

O Tchitundo-hulo constitui uma das mais importantes estações arqueológicas do Sudoeste de Angola, tendo sido objecto de estudos diversos (C. França, H. Breuil e A. Almeida, Santos Júnior e Carlos Ervedosa) último dos quais por Manuel Gutierrez, em 1991. Trata-se de um complexo formado pelo Tchitundo-hulo Mulume (Fig.53),Tchitundo-hulo Mucai (ou Opeleva, segundo Gutierrez, 1996: 119), pela Pedra da Lagoa e Pedra das Zebras (Fig. 54). Os povos desta região são os twa: os Kuissis, os
Koroka e os Kuvale do grupo Herero.

Fig. 53 – Tchitundo-hulo Mulume. Foto: Emmanuel Esteves
Fig. 54 - Complexo do Tchitundo-hulo, segundo Ervedosa (1980)

O Tchitundo-hulo Mulume
Aqui encontram-se tanto gravuras (ao ar livre) como pinturas (em gruta). Manuel Gutierrez (1996: 106) distingue três conjuntos de gravuras no seu estudo.
No primeiro conjunto (Fig.56), conta trinta e duas figuras, numa superfície de 6 metros x 7,5 metros, sendo que quase todas possuem formas circulares (Fig.55) e de dimensões diversas (de 20 cm a 83 cm); só uma de grandes dimensões (4,5 m x 0,5m) apresenta outra forma, no entanto, já pouco visível.
As gravuras de forma similar apresentam porém diferenças, pois umas são radiadas e mesmo assim apresentam diferenças entre si (por exemplo, umas apresentam-se raiadas no exterior, outras no interior); também o número de círculos que compõem cada figura é variável (de um a doze).
No que respeita ao estado das gravuras, também este é variável de gravura para gravura. Gutierrez classificou treze como muito degradada (gravuras nos 1, 2,3, 4, 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 28 e 29) e oito apresentando uma deterioração intermédia (gravuras nos 6, 11 (a outra parte da figura), 14, 17, 18, 19, 22 e 23). As restantes classifica-as como apresentando “aparência fresca”.

De notar, no primeiro conjunto, o predomínio das formas circulares, com diversos círculos cada uma, isoladas ou compostas e/ou ligadas por traços. De acordo com o levantamento e descrição de Gutierrez, e começando pela parte inferior direita, encontra a figura por ele determinada como nº 1, relativamente isolada. Um pouco acima e à esquerda desta figura surgem as numeradas como 2, 3, 4 e 5 que se mostram pouco perceptíveis pela degradação que sofreram.

A figura nº 10 surge acima e à direita destas últimas figuras, apresentando-se do mesmo modo no que respeita à deterioração. Seguindo para a esquerda, encontra-se um subconjunto composto pelas gravuras
nos 6, 7, 8, 9, 11, 12 e 13. A gravura nº 6, também um pouco apagada, mas com alguns traços na sua parte superior, orientados no sentido das gravuras nos 8 e 11.A figura nº 7 está também pouco visível, acima da qual se encontra a nº 9, e seguindo para a direita desta, a no 8 que apresenta, na sua parte superior, vestígios de alguns traços orientados para a figura nº 11 e na parte inferior, outros virados para a nº 6.

A figura onze é composta por duas figurações ligadas entre si por traços, surge junto à nº 8 e dela parte um grande traço até esta figura e até à nº 9. A figura 13, à esquerda da anterior apresenta pelo menos dois tacos que se separam da sua parte inferior direita em direcção à nº 11. Na extremidade superior direita deste subconjunto encontra-se a figura nº 12.

Ligeiramente acima e à direita da figura nº 9, surge a nº 14 que, sendo circular, apresenta diversos traços rectilíneos tanto no interior como no exterior, sendo que alguns parecem tomar a direcção da figura nº 9 e outros da figura nº 17. Um outro subconjunto desenha-se acima do descrito, composto pelas figuras
nos15, 6, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 24, 25, 26 e 27.

A figura nº 15, embora parcialmente debelada, surge à esquerda e está ligada pela parte superior à nº 16, por sua vez ligada, por um longo traço, à nº 21. À direita da nº 16, surge a nº 17 também ela ligada por um traço à nº 21 e apresenta inúmeros traços para o exterior.

Fig. 55- Gravuras do Tchitundo-hulo. Foto Emmanuel Esteves
Fig. 56 - Conjunto I segundo Gutierrez (1996)

As figuras nos18 e 19 estão também elas ligadas por diversos traços, existindo vários pequenos traços soltos por baixo destas gravuras. À direita destas, surge a nº 20 que apresenta alguns traços na sua parte esquerda orientados para a figura nº23 e, à sua direita um traço longo que a liga à nº 21, sendo que esta última ocupa uma posição central neste conjunto I. Por cima da nº 20, ligeiramente à esquerda, está a nº 23 da qual parecem partir algumas linhas na direcção da nº 20, bem como uma série de traços que
se soltam da sua parte inferior esquerda À direita da figura nº 21, surge a nº 22, com vários traços raiados

Acima do traço que a liga as figuras nos 20 e 21, vê-se a figura 24 que apresenta uma dilatação da sua primeira circunferência que lhe atribuiu uma forma ovalada, na parte superior. À direita desta, surgem as figuras nos 25 e 26, sendo que da primeira parte um curto traço virado para baixo e para a esquerda. Mais acima deste subconjunto encontram-se as figuras nos 28 e 29, sendo que a primeira está em avançado estado de degradação; a segunda, embora também em mau estado, permite ainda a visualização de alguns traços no interior, bem como no exterior da sua parte inferior.

Na parte superior do levantamento encontram-se as gravuras nos 30, 31 e 32. A primeira, em bom estado de conservação, apresenta um traço linear na parte inferior esquerda; a segunda, à direita daquela, apresenta apenas uma circunferência e um traço exterior bipartido, virado para as outras duas figuras (nos 30 e 32); a última é uma figura circular com raios externos., em excelente estado de conservação.
O segundo conjunto proposto por Gutierrez envolve 16 figuras gravadas numa superfície de 5 metros por 2 metros (Fig.58). Também aqui as formas circulares são relevantes, correspondendo a mais de metade das figurações, no entanto, encontramos outras formas, como por exemplo “serpentiformes” de grandes dimensões (Fig.57) ou “grelhas”. As dimensões das gravuras são variadas, desde 10 cm x 10 cm a 117 cm x 30cm. No entanto, mas a maioria mede menos de 50 cm. Cerca de metade das gravuras apresenta um “estado médio” de degradação, três a um estado avançado (nos 8, 9 e 11) e cinco apresentam a tal “aparência fresca” ( nos3,4, 5, 7, e 16

Fig. 57- Gravuras doTchitundo-hulo. Foto Emmanuel Esteves
Fig. 58 - Conjunto II, segundo Gutierrez

Na parte inferior esquerda do levantamento, encontra-se a figura nº 1, uma forma oval, à direita da qual se encontra a nº 2, uma outra gravura circular, parcialmente visível. Continuando para a direita, uma extensa gravura linear (“serpentiforme”) que termina com quatro braços na sua parte superior é a figura nº 3. Mais à direita, uma outra figura gravada com forma linear, a nº 4, que apresenta na parte inferior uma curvatura, subindo, a partir daí, para a direita, terminando numa espécie de forquilha muito aberta; na parte superior, possui um círculo, saindo da parte inferior direita deste um apêndice linear também para a direita. Depois deste círculo a linha da gravura prolonga-se um pouco mais, terminando numa forma sub-rectangular que sobre ela assenta. Mais acima, e próxima da extremidade da figura nº 3, existe uma gravura de forma circular, com um apêndice virado para a esquerda. Um pouco mais acima e à direita, a figura nº 6 representa uma forma circular aberta na parte superior, preenchida com duas linhas paralelas e uma vertical. Acima da última figura referida, encontra-se a figura nº7, uma forma circular, atravessada por um traço horizontal, enquanto outro traço vertical e mais curto passa a parte superior da circunferência, o que faz com que o interior da gravura apresente a forma de cruz. À direita, surge a figura nº 8, mas encontra-se fracturada, pelo que só é visível o lado esquerdo da gravura – quatro sulcos paralelos convexos com um apêndice semi-circular a meio do sulco externo da gravura.

Continuando a subir, surge uma outra figura circular, também ela fracturada, com cinco sulcos, em frente da qual, à esquerda surge a figura nº 9, de forma alongada, composta por duas linhas semi-paralelas, tendo na parte superior um círculo cortado por uma traço horizontal e, na parte inferior aberta com uma ligeira curvatura antes dessa abertura, também separada do corpo principal da figura por um traço.
Ligeiramente mais acima e à esquerda, relativamente àquela figura, existe uma linha vertical curva e uma outra gravura linear com a extremidade superior a terminar em forquilha, abaixo da qual e à direita existe um pequeno círculo ligado à figura. Ambas compõem a figura nº 10.

Continuando para cima, encontram as gravuras nos 12 e 13, sendo a primeira uma representação circular e a outra uma figuração oval. Por cima da nº 12, está uma outra gravura circular com um traço inclinado que não toca o círculo no interior, a nº14. Ligeiramente acima e à direita, está a gravura nº 15, de forma rectangular e aberta na parte inferior. Na parte de cima do levantamento, vê-se um círculo concêntrico composto por quatro sulcos.

O terceiro conjunto (Fig.59) situa-se numa superfície mais elevada que as anteriores, próxima da gruta com pinturas que faz parte deste Complexo do Tchitundo-hulo. Este conjunto comporta cinco gravuras que se estendem numa superfície de 2m x 3m. As figuras representadas são muito diferentes, umas de difícil interpretação, outras de forma circular e ainda uma representação antropomórfica.

Também as dimensões das figuras são variadas, mas todas inferiores a 50cm, à excepção de uma que, mesmo assim, não passa de 1m de comprimento. Quanto ao estado em que se apresentam estas gravuras, Gutierrez, classificou-as de “aparência fresca”. Na parte de baixo do levantamento publicado por aquele autor, a figura nº 1 apresenta uma forma circular da qual parte superior da qual sai um traço ligeiramente
inclinado para a direita e que sobe até uma outra forma, circular no interior, mas que por fora se assemelha a uma estrela.

Um pouco mais acima e à esquerda, a figura nº 2 é composta por um círculo concêntrico, com três traços raiados (dois saem da parte de baixo e o outro da parte superior esquerda). A figura nº 3 é composta por uma série de traços que de um ponto comum (o centro) partem em direcções diversas; o que está orientado na direcção da figura nº 2, apresenta uma extremidade pontiaguda e, junto dela, dois apêndices laterais de forma  semelhante.

Continuando para cima, mas agora mais à direita, surge a figura nº 4, um pequeno antropomorfo, mais acima da qual se encontra a figura nº 5, sendo a maior gravura deste conjunto e fazendo parte das gravuras não decifradas.

Fig. 59 - Conjunto III, segundo Gutierrez

As pinturas

Existem dois abrigos pintados em Tchitundo-hulo. Um, o Tchitundo-hulo Opeleva é um abrigo que se encontra à superfície (Fig.60); o segundo abrigo, Tchitundo-hulo Mulume, encontra-se num inselberg onde se localizam as gravuras rupestres.

O Tchitundo-hulo Opeleva trata-se de um abrigo, num pequeno morro de granito, distando cerca de 1 Km para leste do Tchitundo-hulo Mulume. Aqui encontram-se pinturas no tecto e pelas paredes laterais (Fig.61), quase todas do tipo geométrico, embora haja algumas representações estilizadas de zoomorfos
(aves, felinos, cobras, lagartos e cágados, segundo Ervedosa, 1980:326), uma figura antropomórfica e “dois símbolos solares”, de acordo com aquele autor. Estas pinturas surgem a branco, vermelho e negro são semelhantes às figuras pintadas no abrigo do Tchitundo-hulo Mulume.

Fig. 60- Entrada do abrigo Tchitundo-hulo Opeleva. Fotos: Emmanuel Esteves
Fig. 61 - Abrigo Tchitundo-hulo Opeleva.

O Tchitundo-hulo Opeleva compreende cinquenta e nove figuras pintadas, segundo Gutierrez (1996: 120), sendo que aproximadamente metade corresponde a representações geométricas, seguidas de várias figuras não decifradas. Encontram-se ainda alguns zoomorfos e apenas uma figura esquematizada de um provável antropomorfo.

Quanto às cores, encontram-se quatro: o branco, o vermelho, o vermelho claro e o negro.
Mais de metade das figuras são monocromáticas e entre estas, as cores branca e vermelha estão equilibradamente representadas. Um terço é bicromático e poucas possuem três cores. Apenas uma figura apresenta quatro cores (Gutierrez, 1996:120).

Infelizmente a água da chuva infiltra-se no tecto da gruta, pelo que a conservação das pinturas de Opeleva é urgente. Quanto à distribuição, as pinturas concentram-se sobretudo na parede sul e no
tecto do abrigo (Fig. 62).

Fig. 62 - Pinturas rupestres de Tchitundo-hulo Opeleva (reconstituição), segundo Gutierrez (1996)

À esquerda do levantamento de Gutierrez, as figuras nos 1 e 2, representam formas lineares e apresentam-se verticalmente, sendo que já estão desgastadas pela acção da água. Aparece de seguida a figura nº 3, mais pequena e de forma sub-rectangular, pintada em vermelho, um pouco abaixo da qual se vê a figura nº 4, composta por formas circulares e lineares, pintada a branco e vermelho. À direita desta, a figura nº 5 compreende uma série de linhas ora vermelhas, ora brancas, com uma espécie de braço,
a branco, no cimo.

Mais acima, uma pequena mancha vermelha constitui a figura nº 6. Acima, um grande zoomorfo (um pássaro, segundo Gutierrez) pintado em dois tons de vermelho e em branco constitui a figura nº 7, à direita da qual se encontra a figura nº 8 pintada a branco, representando uma outra figura linear, com uma forma subrectangular, um traço vertical no centro e com vários pontos de cada lado do traço. Por baixo da figura nº 7, existe uma outra pintada em vermelho e de difícil interpretação, sendo que apresenta uma forma alongada com apontamentos algumas vezes arredondados, outras vezes pontudos, ligeiramente oblíqua, com diversos pontos no seu interior, terminando numa forma circular, trata-se da figura nº 9 (Fig.63A).

Abaixo desta ligeiramente à direita, a figura nº 10, um outro zoomorfo (um felino, segundo Gutierrez), sendo que a suas patas traseiras estão associadas a traços e a semicírculos, tudo a branco.
Abaixo vemos a figura nº 11, um outro zoomorfo coma boca aberta (outro felino, na opinião daquele autor) pintado a branco, rodeado de um emaranhado de linhas vermelhas, brancas e negras (Fig.63B); de notar que a sua cauda se estende até à figura nº 13. Uma pequena mancha branca, aparece a baixo e constitui a figura nº 12.

A seguir à figura nº 11, aparecem alinhadas as nos 13, 14 e 15. A primeira destas, pintada a branco parece estar associada à nº11; a segunda é tricolor, mas pouco visível e a terceira, assemelha-se à primeira, sendo também em branco. 
A B Fig. 63 - Pinturas de Opeleva. Fotos Emmanuel Esteves. A figura nº 16, acima da nº 15 e ligeiramente à direita, trata-se de uma forma de X deitado, pintado a vermelho e pouco visível.

Ao lado da figura nº 15, a nº 18 apresenta duas séries de pequenos traços paralelos horizontais, a branco, por cima dos quais surge uma mancha vermelha. À direita desta, a figura nº 19, em vermelho e a nº 20, em branco. Abaixo daquelas figuras, a nº 21,em cor branca, apresenta um enorme apêndice ovalado, do lado direito, mas não decifrada.

A figura nº 22, por baixo da anteriormente descrita, apresenta uma forma oval, pintada a vermelho, ao lado da qual se encontra uma outra também oval e em vermelho, mas incompleta, a figura nº 24. Por cima desta, vê-se a figura nº23, de forma oval, em branco (representando uma tartaruga segundo informações recolhidas por Gutierrez  (1996: 126).

Mais a acima e à direita, surge a figura nº 26,uma forma circular, pintada em vermelho e branco. Mais acima ainda, uma linha dupla pintada em vermelho e negro, corresponde à figura nº 25, sendo que à sua direita aparece um zoomorfo (um bovídeo, segundo Gutierrez) coam várias linhas brancas e vermelhas próximas e por cima da cabeça, a figura nº 27. Este zoomorfo está por baixo de uma longa figura linear, a figura nº 30, pintada em vermelho, branco e negro.

A figura nº 30 estende-se até a sua parte de baixo tocar a figura nº28, uma figura
oval em vermelho, enquanto a sua extremidade superior surge a figura nº 29, uma forma
oval alongada, em vermelho e branco, com quatro pontas no exterior da sua parte
superior e um traço no seu interior que a divide em duas partes, sendo que a parte
inferior é de menores dimensões.
Abaixo da figura nº 30, saem traços negros ao nível da figura nº27, abaixo da
qual saem outras figuras, as nos 31, 32, 33.
Junto à parte inferior da figura nº 30, uma figura longa em vermelho, branco e
negro, de difícil interpretação é a figura nº 34, por baixo da qual se vê um traço em
forma de Y deitado, figura nº 35. Debaixo desta, surge a figura nº 36, em negro e
branco, tratando-se de uma associação de formas circulares e ovais.
Mais abaixo, a figura nº 37, parcialmente apagada, apresenta uma forma oval
pintada a branco.
Por baixo da figura nº 34, o círculo pintado em branco e vermelho constitui a
figura nº 38.
À esquerda e ligeiramente abaixo, a figura nº 39, também parcialmente visível,
apresenta uma forma circular, a vermelho e branco, junto à qual existe uma outra forma
oval, mas incompleta, pintada em vermelho e branco, é a figura nº 40, sendo que na
direita da sua parte inferior pode ver-se a figura nº 41, que não é mais que um traço
horizontal; na parte superior, a figura nº 42, composta por círculos e traços, em
vermelho e branco, também classificada por de difícil interpretação.
Abaixo desta, surge um traço semi-circular pintado a vermelho, a figura nº 43.
Mais à direita, surge a nº 44, já parcialmente delidas.
A figura nº 45, entre a nº 38 e a 46, apresenta um alinhamento de traços brancos.
Por baixo desta figura, a nº 46 é composta por uma série de linhas vermelhas e brancas,
algumas das quais uma pouco apagadas. Ao lado desta, as figuras nos 47 e 48, já só em
parte são visíveis, embora ainda se note as suas cores branca e vermelha.
Por baixo da figura nº 43, a nº 49, é traço oblíquo.
Na parte superior do levantamento, uma grande círculo concêntrico muito
esbatido, com traços raiados no interior e dois apêndices no exterior, constitui a figura
nº 50.
Mais abaixo, uma forma oval preenchida, pintada em vermelho, mas também
muito apagada, é a figura nº 51. À direita, uma série de traços vermelhos formam a
figura nº 52 de um lado e a figura 54 do outro lado de uma figura oval com um círculo
no centro, sendo esta a figura 53.
Na parte inferior, surgem cinco figuras um pouco delidas, às quais correspondem
dois zoomorfos, uma forma circular e uma figura não decifrada.
O primeiro desses zoomorfos é a figura nº 55 (um sáurio, segundo Gutierrez),
em branco; à esquerda, uma figura circular em vermelho, pouco visível, é a nº 56.
O segundo zoomorfo (um felino, segundo o mesmo autor), pintado em branco
parece ter as patas ligadas a traços vermelhos e brancos.
Mais abaixo, surgem três manchas brancas e vermelhas, a que corresponde a
figura nº 58, na proximidade da qual uma figura não-decifrada em vermelho assume o
nº 59.
Os seus pigmentos foram datados por AMS, indicando uma idade próxima dos
2000 anos.
No outro abrigo com pinturas, o Tchitundo–hulo Mulume, percebe-se que a
grande maioria das pinturas encontra-se no tecto da gruta, ao longo de uma superfície
com cerca de 20 m.
O inventário levado a cabo por Gutierrez mostra que o sítio contém pelo menos
211 figuras pintadas, contra as 180 adiantadas por Ervedosa sendo que a maioria é
representações geométricas.
Aqui foram recolhidas amostras dos pigmentos das pinturas destinados à análise
micro-química das mesmas.
Quanto às cores usadas, encontra-se o branco, por vezes aparecendo mais
carregado, e ainda a utilização de três tonalidades de vermelho, negro, laranja e uma em
cinzento. A grande maioria das figuras pintadas são-no numa só cor, e destas mais de
metade são em branco.
Começando pela descrição, a cerca de 5 m a entrada da gruta (Fig. 64), encontra-
se a figura nº 1, uma figura de forma oval com quadriculado, pintada a vermelho. Um
metro mais à frente, a figura nº 2, provavelmente um zoomorfo, pintada em branco,
coma alguns traços em vermelho.
Mais à direita, as figuras nos 3 e 4, em branco escuro; a primeira, é composta por
duas formas lineares, semelhantes a bastões, a segunda, corresponde a uma oval com
um apêndice na parte superior.





Fig. 53 – Tchitundo-hulo Mulume ....................................................................................... 139

Fig. 54 - Complexo do Tchitundo-hulo ................................................................................ 139

Fig. 55- Gravuras do Tchitundo-hulo .. ............................................................................... 142

Fig. 56 - Tchitundo-hulo: Conjunto I .................................................................................... 142

Fig. 57- Gravuras do Tchitundo-hulo .................................................................................... 144

Fig. 58 - Tchitundo-hulo: Conjunto II ................................................................................... 144

Fig. 59 - Tchitundo-hulo: Conjunto III .................................................................................. 147

Fig. 60- Entrada do abrigo Tchitundo-hulo Opeleva ............................................................. 148

Fig. 61- Abrigo Tchitundo-hulo Opeleva .............................................................................. 148

Fig. 62 – Pinturas de Tchitundo-hulo Opeleva (reconstituição) ........................................... 149

Fig. 63 - Pinturas de Opeleva ............................................................................................... 151

Fig. 64 - Pinturas do Tchitundo-hulo Mulume I .................................................................... 155

Fig. 65 - Pinturas do Tchitundo-hulo Mulume II .................................................................. 156

Fig. 66 - Pinturas do Tchitundo-hulo Mulume III ................................................................. 161

Fig. 67 - Pinturas do Tchitundo-hulo Mulume IV ................................................................. 164

Fig. 68 – Pinturas do Tchitundo-hulo Mulume V ................................................................. 165






Texto integral : http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:YFaIrDjcTDgJ:repositorio.utad.pt/bitstream/10348/155/1/msc_capsmartins.pdf+&cd=11&hl=en&ct=clnk&gl=pt&client=firefox-a



Junto algumas imagens:
 


Tchitundu-Hulu 1

Tchitundu-Hulu 2

Sem comentários: